Relações sociais no século XIX no Rio grande do Sul

Cartas e  cartõezinhos ocupavam bastante o tempo no século XIX. Estes objetos restaram como documentos de nossas histórias pessoais e administrativas. Algumas vezes,  eles juntaram as duas. Publicamos o convite de casamento da filha de Júlio de Castilhos, já falecido, na ocasião – mostrando o bom relacionamento do Governo do Estado com a Intendência.

A letra  da remetente é firme.  Acompanha a missiva um envelope com o nome de Dr. Montaury e nele escrito: ” Em mão”.  Há um cartão de agradecimento em formato pequeno, impresso com o nome de Honorina de Castilhos, datado de 21/11/1903, onde ela e a filha Júlia agradecem penhoradas a Montaury, provavelmente a sua presença no casamento.  Sobre esta correspondência é importante informar que José Montaury, conhecido como o “Eterno Intendente”, gozava da amizade da famìlia de Julio de Castilhos  contando com ele ao longo de todo o seu governo.  Com a morte precoce de Júlio de Castilhos (1860 – 1903), Montaury seguiu no Governo de Porto Alegre (1897-1924).  Após o falecimento da viúva, Honorina, em 1905, o prédio foi comprado pelo Governo do Estado, sendo transformado em Museu, para onde  foi transferido o acervo do casal. Ainda hoje, o prédio conserva este  acervo, muito embora necessitando  de alguma conservação. 

Júlio de Castilhos com a mulher, Honorina, e os cinco filhos | Foto: Libretos/Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *