O MITO DE HERMÓPOLIS

Em Khemnu, nome que significa, em egípcio antigo, Cidade dos oito, desenvolveu-se um mito de criação em torno do deus Thot. Divindade da sabedoria, Thot  era representado por dois animais: um babuíno e/ou um pássaro – o íbis – cujo ato mais importante fora o ensino da escrita aos egípcios.

O nome Hermópolis foi dado pelos gregos à cidade, pela associação que fizeram entre Hermes, um dos filhos de Zeus e o Thot egípcio. Os helenos apelidaram Thot de Hermes Trismegisto, ou seja, Hermes três vezes grande. A natureza dos estudos que envolvem essa divindade, de tão profundos e misteriosos, são responsáveis pela criação do termo hermetismo, qualidade do que é de difícil compreensão.

Segundo registros, parece ter havido uma desavença entre os sacerdotes dessa cidade e os inventores do mito de Heliópolis. Os sacerdotes afirmavam que, em Hermópolis, de um ovo apareceu uma montanha primordial da qual saiu o deus-sol; ou ainda segundo outra versão desse mesmo mito, dessa montanha saiu um deus-criança em uma flor de lótus no mar primordial. Com essa aparição, o mundo havia sido criado, o que se contrapõe à manutenção de Heliópolis como centro de criação do mundo egípcio. 

Segundo os intelectuais de Hermópolis, o real inventor de tudo foi Thot, o deus a partir do qual todas as coisas começaram, sendo que, em algumas versões do mito, ele mesmo era auto criado. Esse mito, narra que Thot criou pela palavra, sobre as águas primordiais, quatro divindades, cujos nomes indicavam seus aspectos/atributos: as águas primordiais, o infinito, as trevas e o poder oculto. Cada uma dessas divindades masculina tinha a sua fêmea correspondente, e, por essa razão eram chamados de Oito. Os machos, representados por sapos e as fêmeas por serpentes, ou humanos com cabeças de serpentes e sapos. Quando amanhecia, essas entidades eram representadas pelos macacos que gritam ao nascer do sol, o que os antigos egípcios interpretavam como uma saudação.  As divinas criaturas eram chamadas de:

Os nomes das quatro divindade não passam das formas femininas das denominações masculinas, e vice-versa. Cada par representava os aspectos masculino e feminino dos seguintes elementos primordiais, a partir dos quais tudo havia se originado. 

Você pode ler essas e outras curiosidades no livro :

Fatos e mitos do antigo Egito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *