O Mito da Fênix

fênix, é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em autocombustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas. Outra característica da fênix é sua força que a faz transportar em voo cargas muito pesadas, havendo lendas nas quais chega a carregar elefantes. Podendo se transformar em uma ave de fogo.

A ave teria penas brilhantes, douradas, e vermelho-arroxeadas, e seria do mesmo tamanho ou maior do que uma águia. Segundo alguns escritores gregos, a fênix vivia exatamente quinhentos anos. Outros acreditavam que seu ciclo de vida era de 97 a  200 anos. No final de cada ciclo de vida, a fênix queimava-se numa pira funerária. A vida longa da fênix e o seu dramático renascimento das próprias cinzas transformaram-na em símbolo da imortalidade e do renascimento espiritual.

Os gregos parecem ter se baseado em Bennu, da mitologia egípcia, representado na forma de uma ave acinzentada semelhante à garça, hoje extinta, que habitava o Egito. Cumprido o ciclo de vida do Bennu, ele voava a Heliópolis, pousava sobre a pira do deus Rá, ateava fogo em seu ninho e se deixava consumir pelas chamas, renascendo das cinzas.

Já mencionada nos Textos das Pirâmides, a ave-benu, como era designada no antigo Egito, que foi identificada pelos Gregos com a clássica fênix, surge representada em papiros funerários do Livro dos Mortos, na decoração interior de túmulos e nas paredes e muros de templos, seja como simples garça, seja ostentando a coroa-atef ou o disco solar sobre a cabeça. 

De forma semelhante a Bennu, quando a ave sentia a morte se aproximar, construía uma pira de ramos de canela, sálvia e mirra em cujas chamas morria queimada. Mas das cinzas erguia-se então uma nova fênix, que colocava piedosamente os restos da sua progenitora num ovo de mirra e voava com ele à cidade egípcia de Heliópolis, onde os colocava no Altar do Sol.

Atualmente os estudiosos creem que a lenda surgiu no Oriente e foi adaptada pelos sacerdotes do Sol de Heliópolis como uma alegoria da morte e renascimento diários do astro-rei. Tal como todos os grandes mitos gregos, desperta consonâncias no mais íntimo do homem. Na arte cristã, a fênix renascida tornou-se um símbolo popular da ressurreição de Cristo.

Confira algumas curiosidades sobre a fênix:

2 comentários em “O Mito da Fênix

  1. supreme clothing Responder

    My wife and i have been quite delighted when Emmanuel managed to finish up his basic research out of the ideas he received out of the blog. It’s not at all simplistic to just always be offering tricks which often people today may have been selling. And we also understand we’ve got you to be grateful to for this. All the explanations you have made, the easy blog menu, the relationships you give support to instill – it’s got all overwhelming, and it is helping our son and our family reckon that the theme is enjoyable, which is certainly unbelievably pressing. Many thanks for all the pieces!

  2. kawhi leonard shoes Responder

    I am commenting to make you know what a wonderful experience my wife’s princess had studying yuor web blog. She discovered several things, with the inclusion of what it is like to possess an excellent coaching nature to have many more quite simply thoroughly grasp specified impossible subject matter. You undoubtedly exceeded her expected results. Thank you for delivering these necessary, trustworthy, educational as well as easy guidance on this topic to Sandra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *